"Você é menina, é diferente"


   "Você é menina, é diferente. Ande reto, sente reto, sorria, faça com que gostem de você, seja educada e graciosa, vista roupas delicadas, não mostre o corpo demais, seja sempre paciente, porque você é menina, é diferente." Ouço. paro, vivo as regras. Depois de tanto tempo ouvindo o que fazer, você acredita mesmo que só pode fazer aquilo, mas não. Descobri que de jeito nenhum minhas opções são tão limitadas. Eu quero ser livre, eu não quero ter a mão prometida a ninguém, não quero que me "arrumem" ninguém. Quero fazer o que quiser, na hora que quiser com quem quiser.
      Quero senta e não me preocupar se estou como uma "garota", quero sentar e me preocupar com o conforto. Quero andar com uma camiseta rasgada de vez em quando, uma daquelas que você me mandar arrumar, quero cantar bem alto, mesmo que desafinado, mesmo que para ninguém. Quero fazer coisas extraordinárias ao invés de sempre esperar que alguém as faça por mim. Quero morrer por uma causa nobre, quero lutar em uma revolução. Quero... quero.
        Não me diga que as coisas são diferentes por eu ser menina, você criou isso e me faz acreditar, mas você não ver o que eu vejo, você não sabe o que elas passaram, eu sei, ainda dói, não é diferente. Eu também posso sair à noite, mas quero que isso seja seguro o suficiente para que eu saia mais vezes. Não quero temer os garotos, não quero ter sempre que ficar calada, na verdade, quero subir no palco e fazer uma convocação, que todas se juntem a mim. Somos mais que rótulos, não somos as princesas que a Disney criou, ninguém tá afim de dormir 100 anos esperando o príncipe ou arrumar um casamento por causa de um sapato.
       Ensinem as garotas a serem livres, a serem elas mesmas, porque é engraçado como isso funciona. Eles dizem "seja você mesma", mas aí as lojas nos dizem o que vestir, as lanchonetes dizem o que comer e a família diz como sentar e o que você vai ser quando crescer. Não somos nós mesmas desde que nascemos e o pior de tudo é que, ficamos com medo de tentar, porque é perigoso demais, as pessoas podem não gostar e "fazer com que gostem de você" é o que nos ensinam desde cedo. Talvez você nunca seja rude com alguém, seu "bom dia" seja esterno e seu sorriso não se esgote nunca, mas dizer que as pessoas gostarem de você é uma consequência das suas atitudes? Perda de tempo, você nunca será suficiente para todos, mas será mais do que isso para quem se importa. E isso vale por tudo.
       Então, no fim, ser você mesmo é uma questão de rebeldia, é uma questão de decidir o que você vai ser, quando e com quem, você também decide o que vai comer ou como vai se sentar. Não fique só com o "quero" na cabeça, faça. Seja diferente. Se destaque. Seja uma MENINA, daquelas de filmes, se empodere, mande em você, não tema os meninos, você é mais do que uma "menininha" e sabe disso, talvez seja assustador agora, mas isso faz parte. Juro. Enquanto aos outros, principalmente famílias, não ensinem as garotas a terem medo dos garotos, ensinem eles a respeitarem e de que eles nunca, jamais, serão melhores do que o sexo oposto. Pelo menos, não mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário