Não rasgue o peito para manter o mundo inteiro.

   
     Quando eu era pequena, minha mãe dizia "não pegue isso, é muito pesado. Vai rasgar seu peito", sempre me pareceu estranho a ideia de que algum dia alguém pegou algo tão pesado que a pele não suportou, partiu e tomou caminhos diferentes e opostos, enquanto tanto sangue jorrava para fora. Claro, quando se é pequeno, ou grande, as mães estão apenas tentando nos proteger, mesmo que seja fazendo um pouco de medo, embora isso fosse impossível, alguém abrir o peito de algo muito pesado que as mãos seguraram, atribui ultimamente um significado a essa expressão.
     O tempo todo estamos tentando carregar alguma coisa, alguém, alguma situação, tudo isso pesa, há vezes em que tentamos carregar nós mesmos e ainda assim parece quase insuportável. Rasgamos nosso peito por relacionamentos que não nos valoriza, rasgamos o nosso peito por amizades que nos magoam, rasgamos nosso peito por coisas que já vimos acontecer milhares de vezes e mesmo assim parece que vai ser diferente.
     Nós rasgamos nosso peito por segurar nosso buraco negro, onde tudo que não é agradável aos olhos da sociedade, vai para lá. Tudo que não querem que a gente faça, vai para lá e nos rasgamos por inteiro para manter quem realmente somos escondidos. Nos rasgamos naquela conversa e quando o adeus chega, seja lá o que ele signifique, ainda é adeus, e adeuses foram feitos para rasgarem o peito e colocar a alma no chão. Você nunca vai ver seu coração, o seu órgão, saindo fora do peito porque você pegou algo muito pesado, nunca vai ter que morrer do nada e as pessoas serem obrigadas a dizerem: A caixa que ela pegou estava muito pesada.
       Mas meio que é assim que a vida funciona e para algumas pessoas, a caixa é tão pesada, tão pesada que elas não derrubam, mas se matam por não poderem com isso. Ainda há quem apareça e diga: "por que não pediu ajuda?" Essa mesma pessoa, choque-se, foi a que disse que se ele não carregasse isso era um idiota fracassado. Mas temos que nos reinventar, é isso que precisamos. Precisamos entender que às vezes não vale a pena rasgar o peito só para manter o mundo inteiro.
      Hoje eu vejo mais claramente, não é porque você admira alguém, quer ser o favorito de alguém, quer ter respeito e confiança desse alguém que você vai ter, a vida não segue as linhas que a gente traça e quer saber? Tudo bem assim mesmo, porque mesmo que essa pessoa opte por escolher outra como sua favorita, opte por confiar em outra, opte por apostar todas as fichas em uma que possivelmente vai decepcioná-la depois, ainda temos outras pessoas que nos escolheram e depositaram fichas em nós, não estamos fazendo as coisas errado, só estamos fazendo pelas pessoas erradas. Ás vezes o que precisa mudar não são as metas e sim por quem você tenta realizá-las, quando miramos em alguém que sabemos que realmente vai ficar feliz se as coisas acontecerem como planejamos, temos mais facilidade de persistir e a não cair no fracasso, temos mais facilidade de blindar o peito e não deixar dilatar tão fácil.
        Coloquei essa pessoa em primeiro lugar nas minhas metas, e ela colocou a dela e não era eu e depois percebi, eu era a meta de várias outras pessoas, eu era a aposta, eu era importante e amada. Não podemos rasgar o peito para manter o mundo inteiro e não podemos rasgar o peito para manter uma pessoa satisfeita com ela mesma. Damos a ela o poder de nos fazer caridade quando nem ao menos precisamos de uma, no final nós que estamos sendo egoístas, com a pessoa mais importante, nós mesmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário