Matt Sherpard: Um símbolo contra o ódio.

 
   Esse garoto ai se chama Matthew Sherpard, ele foi assassinado, torturado e brutalmente ferido quando tinha 21 anos,em 1998. Matt era uma bom menino, era um bom ator, fazia amizade com qualquer um que cruzasse seu caminho, era alegre e as filmagens caseiras dos seus pais captavam bem isso, ele também escrevia, escrevia coisas lindas sobre as quais sentia, era "honesto, engraçado, humilde", como ele mesmo dizia.
       Os pais se mudaram para a Arábia Saudita com ele e seu irmão mais novo, e por falta de escolas americanas, Matt foi para uma escola com ensinamentos americanos na Suíça, uma escola interna, lá conheceu muitos amigos e ele próprio disse a mãe que tinha sido os melhores anos de sua vida. Queria ser famoso, adorava peças de teatro, era talentoso e tinha um brilho próprio, olhos azuis, cabelos loiros, 1.60m de altura, com pouco menos de 50 Kg.
       Em uma viagem com os amigos a Marrocos, Matt foi estuprado, desesperado contou para os amigos e achou que seria bom andar por a cidade e esfriar a cabeça, ele foi puxado para um beco, durante seu passeio, foi roubado e estuprado mais uma vez por seis homens. A partir daí, as coisas começaram a mudar em sua vida. Ele não era mais o mesmo.
       Matt não participava mais de peças de teatro, não olhava mais as pessoas nos olhos, andava com ombros encolhidos e isso tinha te causado marcas profundas. Assumiu logo depois para família e amigos que era Gay, para sua surpresa, os seus pais desconfiavam e o abraçaram, metaforicamente e literalmente, o aceitaram, quando esse, era seu maior medo.
       Morando em cidades diferentes dos pais, Matt se sentia cada vez mais deprimido, escreveu em seu diário que queria um lugar para chamar de lar, e acabou voltando para a sua antiga cidade perto de Laramie, para morar com seu orientador e amigo. Pela primeira vez em quatro ou cinco anos, dizia Jude, sua mãe, ele se sente feliz. Em uma noite, Matt com 21 anos, estava em um bar sozinho, quando dois caras chegaram e logo perceberam que ele era Gay, foram até o banheiro e combinaram de se fingir de gay, para que assim pudessem roubar o menino. "inocente", como todos o descreviam, Matt caiu na conversa e logo estavam conversados, os caras o chamaram para tomar uma bebida em outro lugar, mesmo quando possui mil versões da mídia nas redes sociais, todas acabaram muito mal.
       Dentro do carro, eles começaram a espancar Matt e disseram que aquilo era um assalto e pegaram sua carteira, logo depois o levaram para um lugar deserto, onde o espancaram e usaram uma arma de fogo, seu rosto foi deformado, e tinha muitas fraturas no cérebro, na cabeça e no rosto, depois disso, os dois homens o amarraram em uma cerca e o deixaram lá, achado 18 horas depois, onde entrou em coma.
      A notícia abalou a imprensa e em questão de horas, a foto dele já estampava todos os jornais, os pais e todo os outros familiares e amigos estavam sensibilizados com a situação, uma hora teriam de decidir se iriam desligar os aparelhos dele, e pediram para o seu amigo falar, onde ele pronunciou belas palavras, de que Sherpard parasse de lutar, que todos o amavam muito e que ele seria muito famoso, como tinha planejado. Ele morreu algumas horas depois. Vale lembrar, que no seu funeral, mesmo com a dor dos seus pais, protestantes homofóbicos cercaram a Igreja com cartazes de palavras de ódio dizendo: "vocês vão queimar no inferno", "Deus odeia bichas" entre outras muito dolorosas para quem acabava de perder alguém tão especial.
      Os agressores foram encontrados e levados ao júri, um deles respondeu a ameaça dizendo que Matt tinha o tocado e aquilo fez ele perder a cabeça, iam ser condenados à pena de morte, mas os pais de Matt mostraram solidariedade e retiraram a pena máxima. Hoje, a Instituição Matthew Sherpard espalha discursos lindos que combatem o ódio, e mobilizou protestos até alcançarem uma voz maior, naquela época, o presidente Barack Obama, que assinou a Lei Matthew Sherpard, que protege os americanos contra ações de ódio.
       Casos como esses acontecem todos os dias, e muitas vezes não são transmitidos, os valores de ódio que se passam aos filhos e que até mesmo você cultiva é doentio, quando você só dispara ódio a alguém que não faz nada, além de procurar sua oportunidade se ser feliz e amar, como você ama, você está privado de questionar porque o mundo está assim, porque não existe mais amor, porque pessoas como essas, que matam um menino por sua orientação sexual, que tira seus sonhos, que deixa um espaço vazio na família, nos amigos, na vida... Pessoas como essas, que matam por acharem que Deus não aprovaria, saiba que Deus ama todos iguais. O meu Deus não odeia bichas, porque essa é uma palavra extremamente ofensiva, meu Deus ama todos os humanos, todos são iguais. A verdade é que, ninguém está na terra, para fazer justiça com as próprias mãos e depois justificar o erro com o nome de Deus.
        O crime é seu, apenas seu, você quis, você fez e Deus não te mandou. Você está privado de questionar a situação de ódio atual do mundo, porque você também dispara ódio, porque parece que, amor te incomoda. O mundo precisa é de mais vozes que se levantem e lutem junto com Jude, a mãe de Matt, que perdeu um filho para o ódio, de pessoas que lutem com Dennis, que também perdeu seu filho, de pessoas que segurem cartazes e diga não ao preconceito e homofobia. Pessoas que respeitem a dor alheia, que não faça cartazes com "Deus odeia bichas" e os segurem no dia do funeral de alguém importante. No fim, orientação sexual, cor, gênero, nunca definiu caráter e nunca definirá, o que define mesmo é prudência, honestidade, sentimento, amor... Coisa que Matt tinha demais para dar ao mundo junto ao seu futuro brilhante e que foi arrancado.
        Não julgue um ser-humano por amar. Não o julgue por demostrar isso.
      Lembre-se: Poderia ser você ou até mesmo seus filhos.
       O documentário do Matt, foi disponibilizado na Netflix: Matt Sherpard Is a friend of mine

Nenhum comentário:

Postar um comentário