18

 

   Aos 18 você pensa que já estará com uma carteira de motorista, um carro só seu, mil amigos e até um apartamento independente, entretanto, nada disso é verdade. Fiz 18 semana passada e me sinto com 11, coloquei até os álbuns da Disney para tocar e todos os meus musicais favoritos. A verdade é que não mudamos do dia para noite só porque é nosso aniversário, a mudança acontece todos os dias, e às vezes amadurecemos antes ou depois da idade estabelecida. Ao que parece é 18.
     Mas, na verdade amadurei em vários dias do ano, aprendi a me conhecer melhor, a ser mais determinada e controlar minhas emoções, o que ajudou a escolher a profissão dos meus sonhos, aprendi que amor não aparece assim na sua porta e nem quero, imagina um estranho chegando na sua casa dizendo que é o amor da sua vida? Pirado. Aprendi que não preciso ser popular para ser feliz, isso inclui números de seguidores no instagram e amigos com quem conversa diariamente, no meu caso são 3 de certeza, aprendi que ter 18 não é fazer tudo sozinha, acho que nunca estive tão dependente e é estranho dizer que me orgulho disso, porque sei que precisamos das pessoas pelo resto da vida e é muito bom quando você se dá conta que elas estão ali por você, mesmo que seja responsável.
      Ainda amo desenhos animados, o que é bom, porque isso fez mudar minha percepção de ir dormir uma garotinha gostando de coisas idiotas e acordar pensando o quão adulta estou e que bebida devo experimentar primeiro, a verdade também é que não sinto nem uma vontade de consumir nada alcoólico - ainda bem - não tenho vontade de entrar em uma boate e muito menos de ver um filme com faixa preta, até porque os meus favoritos são no máximo até doze anos, adoro musicais, animações e comédias românticas, as mesmas coisas que a Larissa de 11 aos 17 anos ama, então olhando assim, vejo que mudar não significa os anos físicos a mais ou a menos que as pessoas vão lembrar em determinadas datas, mudar envolve amadurecimento no que é necessário e conservação naquilo que basta para nós mesmos.
      Além disso, nessa jornada aprendi coisas sobre o amor,  não por alguém em especial, mas por mim mesma, aceitar meus defeitos, aceitar minhas imperfeições e não se desculpar por isso, não se deve se desculpar por ser amado, mesmo que esse amor venha de dentro pra fora, com você mesmo, não é agocentrimo, é cuidado e valorização daquilo que se é. Acho que Ainda tenho que trabalhar um pouco sobre sair da minha zona de conforto e para todas as coisas que consegui fazer esse ano, essa passa quase despercebida. Enfim, estou grata por mais esse ano, não só nesse dia, no ano inteiro, estou grata pelo que me foi dado. Espero que você também esteja!

Nenhum comentário:

Postar um comentário