A egoísta não era eu


      Eu te falava dos meus planos de viagem, sobre a Europa e sobre as lojas incríveis que tinham por lá, eu te falava dos meus planos e te colocava em todos, eu te falava do futuro ideal e você me fazia acreditar que eu estava certa. Você me falava dos problemas com o seu namorado, eu dizia tudo do fundo do coração o que eu achava, você não gostava, dizia a ele e ele só me odiava ainda mais, não me importava muito, você ainda era minha amiga, certo? Um garoto te machucou, eu disse umas verdades, mas eu que fui a ruim da história, então você correu para o seu namorado de novo.
      Você me contava que não tinha amigas e eu colocava uma plaquinha piscando "Estou aqui", mas você nem via, não era pena que você queria, você era muito inteligente para isso, você queria, na verdade, dizer "não tenho amigas que cheguem ao nível que eu estabeleci na minha cabeça." Eu nem de longe seria aquelas meninas que você gostava de andar, elas mostravam a barriga sequinha para todo mundo em roupas curtas, eu tentava me esconder o máximo possível, com vergonha de tudo, nem parecia morar em uma cidade tão quente, elas tinham os cabelos sempre lindos e lisos brilhantes, os meus estavam assanhados e presos quase sempre, elas tinham todos os caras e eu escrevia em segredo por aqueles que nunca me notaram. Elas odiavam os beatles, smiths e os anos 90, era "careta" demais, eu viva lá.
       Você teve seu coração partido a primeira vez, me apanhei e juntei tudo, te devolvi e você entregou para outro cara que partiu mais uma vez, juntei tudo, coloquei uma fita mais forte e pedi que tomasse cuidado, você foi lá e quebrou de novo com o primeiro que apareceu depois de tanto trabalho, eu demonstrei preocupação, disse para ter cuidado, você se chateou de novo, me colocou de lado, ignorei. Veio falar comigo, disse que estava com problemas com sua mãe, eu fui e dei mais conselhos, você disse "obrigada", me senti bem. Na outra semana, meu pai era o problema, você não estava lá e eu achei que estava tudo bem, eu podia suportar aquilo sozinha, não valia a pena preocupar outra pessoa com uma coisa minha.
       Na outra semana, você teve mais problemas em casa e eu disse que tudo ia ficar bem e você acreditou, no dia seguinte minha casa desmoronou e você não estava lá, dessa vez  estava saindo com suas amigas para uma festa de pessoas populares, das quais eu nunca era convidada, estava postando fotos com seu namorado, que me odeia, você estava feliz, então não te liguei. Passa uns dias, você me liga chorando, aquele cara foi embora com sua amiga, te consolo, você não pegunta como estou, não digo também que minha vida vai bem pior que o fim de relacionamento, você para de chorar horas depois e desliga. Marco um jantar no fim de semana, porque preciso de você lá, dessa vez vou dizer que está doendo, meus pais já não se suportam, não fui aceita na faculdade, minha irmã está triste e eu tenho segurado muito sozinha, espero, espero, você não aparece.
         Tiro a roupa, a garganta rapada, os olhos embaçados, não tenho amigas, nenhuma outra, não tenho um garoto, eles nunca me olham, só restava você, no fim, quando me jogo na cama, você me manda a mensagem: Não pude ir, fiquei com um garoto, sabe aquele? E ele me deu um fora hoje, por que minha vida tem que ser tão difícil? :(
         Não respondo, te tiro dos meus planos da Europa, do meu futuro, da minha agenda, é duro demais ficar amenizando seus problemas por se achar uma egoísta, não dá para carregar todo mundo nas costas, ma dá para diminuir o peso de acordo com escolhas, no final ela vai aparecer, dizer que sou uma péssima amiga, que não sei pelo que ela passou, ma hoje entendo... A egoísta não era eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário