(Não) está tudo bem "ser você".


   Tudo bem você não gostar dela, não gostar do modo que ela se veste, do modo que ela se comporta ou das pessoas que ela anda, tudo bem não querer falar sempre com ela, ficar com teatrinho fingindo que são amigas, tudo bem não gostar dela, não está tudo bem falar dela pelas costas, inventar boatos que nem mesmo você sabe se são verdade, chamar ela de palavras que você jamais aceitaria com você, dizer que ela é um pesadelo, colocá-la para baixo só para as pessoas gostarem mais de você ou você sentir-se bem como você mesmo.
      Tudo bem você ser contra a homossexualidade, você não achar condizente com suas crenças, você não gostar de ver um casal homoafetivo, não está tudo bem insultá-los, dizem que merecem ser espancados, dizer que isso destrói as famílias, dizer para seus filhos tratarem mal aquela pessoa, dizer para elas que irão queimar no inferno - Até porque ninguém que morreu voltou para contar o que acontece depois da curva e isso inclui você. - Não é legal fazer pessoas odiarem a forma como elas nasceram, não concerta nada e só ajuda o ódio a se propagar, o que é ofensivo para nossa saúde, principalmente mental.
       Tudo bem você odiar o funk, odiar a batida, algumas letras, alguns cantores, tudo bem você ter outro tipo de música, mas não está bem proibir outras pessoas de ouvir, outras pessoas de gostarem, outras pessoas de cantarem, elas não são menos que você, ouvir um estilo de música internacionalizado não te faz superior, somos ainda de uma mesma espécie, até que se prove o contrário, apoiar a vetação do funk, porque acha "música sem qualidade" é uma ação clara que você está inseguro sobre sua escolha musical e acha que não há espaço para todos, mas sempre há.
        Tudo bem você ter sua religião, tudo bem você ter suas crenças, seus rituais e suas restrições, é totalmente normal nos agarramos a algo e conforta a alma também, mas não está tudo bem achar que sua religião é a melhor, que ela te salvará primeiro, que todos os outros morrerão no inferno, volte ao segundo parágrafo e leia o que está entre travessões. Não está certo condenar alguém pelos seus pecados, quando nem percebemos os nossos, não está certo apontar erros bobos quando os nossos são tantos que nem dá para esconder dentro da calça ou camiseta.
         Tudo bem não concordar com o feminismo, achar que ele não faz nada por as mulheres ou que para você, o movimento é inútil, mas não está tudo bem chamar uma mulher que usa roupa curta de vadia, ou que abortou depois de um estupro horrendo de pecadora que vai queimar no inferno, leia de novo a frase entre travessões do segundo parágrafo. O problema é que passamos tempo de mais julgando ao invés de arrumar a bagunça da nossa vida, queremos ser exemplo para pessoas que não conhecemos ou não nos importamos.
         Tudo bem você dizer que não odeia isso ou aquilo, tudo bem você se manter pleno e espiritual na frente de seus amigos ou familiares, tudo bem você ter um conhecimento de palavras para expressar suas ideias, tudo bem se expressar, expressar opinião, bancar o intelecto para todos, orgulhar seus pais com palavras que eles nunca ouviram antes, mas não está tudo bem ser fingido, não está tudo bem usar o termo "liberdade de expressão" para espalhar ódio por aí, não está tudo bem dizer "eu não odeio, mas..." . Não está tudo bem mandar alguém queimar em um lugar que você nem ao menos tem conhecimento que existe, não está tudo bem ser rude e magoar as minorias, só porque você decidiu que não agrada aos seus olhos ou ao seu ouvido.
         Se você ver algum problema em ser mulher, negro, homossexual ou ter outra religião que não conduza com a sua, então há algo muito errado, e citando Bruna Vieira, coloca no Google a palavra ''psiquiatra + o nome da sua cidade" prontinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário